• Home
  • Brasil
  • ‘Lula pode ser preso’, diz jornal americano ‘The New York Times’
(Reprodução/VEJA.com)

‘Lula pode ser preso’, diz jornal americano ‘The New York Times’

A decisão do Supremo repercutiu na imprensa internacional; espanhol “El País’ refere-se também ao ‘reino do imprevisível’ brasileiro

A decisão na Suprema Corte, que deixou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva mais perto da prisão na Lava Jato repercutiu na imprensa internacional. Os veículos chamam atenção para o possível encarceramento do petista após a rejeição do habeas corpus preventivo no qual ele pedia para exaurir recursos a todas as instâncias em liberdade.O norte-americano The New York Times lançou ao ar em seu portal a manchete: “Ex-presidente brasileiro, ‘Lula‘, pode ser preso, decide Corte”. O  jornal afirmou que o julgamento do habeas corpus “forçou os juízes a enfrentar uma questão com implicações de longo alcance para muitas outras figuras poderosas enredadas na investigação de corrupção em grande escala conhecida como Lava Jato, incluindo o atual presidente, Michel Temer: Em que ponto do processo de apelação pode o réu ser preso?”

O jornal ressaltou que a Corte deu “sua resposta” à questão: decidiu manter o status quo, “em que condenados podem ser encarcerados após decisões de segunda instância”. “Com a decisão nas mãos, é esperado de Sérgio Moro, o juiz federal que conduziu as investigações contra Lula, que expeça um mandado de prisão contra o ex-presidente em questão de dias”.

Já o El País, da Espanha, afirmou que, apesar de o Brasil ser o “reino do imprevisível, dos meandros burocráticos, das reviravoltas de última hora, tudo indica que Lula está a ponto de ser tornar um presidiário nos próximos dias”.

O veículo destaca que a prisão do ex-presidente terá “enormes consequências políticas” levando em consideração que Lula “encabeçava as preferências de voto para as eleições presidenciais de outubro”.

A BBC de Londres também chamou atenção para a proximidade de uma eventual prisão de Lula e sobre os impactos que ela terá nas eleições desde ano. Sobre o julgamento, a emissora ressaltou a “maratona” do Supremo que terminou na madrugada desta quinta-feira.

A emissora também relembrou aos britânicos sobre do que se trata a Operação Lava Jato. “A investigação, nomeada Operação Lava Jato, revelou uma enorme teia de corrupção envolvendo políticos da alta cúpula em um amplo espectro de partidos pegando propinas”.

Veja(Por Estadão Conteúdo