• Home
  • Saúde
  • Covid: Distanciamento de 2 metros não garante proteção contra partículas infectadas
© Jonathan Lins/Agência Alagoas

Covid: Distanciamento de 2 metros não garante proteção contra partículas infectadas

O distanciamento de dois metros não garante, nem em ambientes abertos, a proteção contra partículas aéreas infectadas pelo Sars-CoV-2, segundo um estudo publicado na revista Physics of Fluids. De acordo com os pesquisadores, da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, essa medida é arbitrária e não impede a transmissão na ausência de máscaras, sugerindo que liberar o uso do equipamento de segurança ao ar livre pode não ser uma boa ideia.

Usando modelagem de computador, os engenheiros acompanharam o comportamento das gotículas quando as pessoas tossem. Eles descobriram que cada uma o faz de maneira diferente, sendo impossível estabelecer um padrão. A distância “segura”, disseram os cientistas, poderia ser qualquer lugar entre um metro ou mais de três metros. No artigo, os autores destacam que, sozinho, o distanciamento social não é uma medida eficaz de mitigação, sendo necessário dar continuidade ao uso de máscaras, mesmo em ambientes externos, apostar na vacinação e na ventilação natural.

Apesar do foco inicial na lavagem das mãos e na limpeza de superfícies nos primeiros meses da pandemia, há quase dois anos já se sabe que a covid-19 se espalha pela transmissão aérea. As pessoas infectadas podem disseminar o vírus por meio da tosse, da fala ou mesmo da respiração, quando expelem gotículas maiores que acabam se assentando ou aerossóis menores, que podem flutuar no ar.

“Lembro-me de ouvir muito sobre como a covid-19 estava se espalhando pelas maçanetas no início de 2020, e pensei comigo mesmo: se fosse esse o caso, o vírus deveria deixar uma pessoa infectada e pousar na superfície. Ou, então, se dispersar no ar, através de processos mecânicos”, disse, em nota, o líder da pesquisa, Epaminondas Mastorakos. O professor do Departamento de Engenharia de Cambridge é especialista em mecânica dos fluidos: a maneira como eles (incluindo a respiração exalada) se comportam em diferentes ambientes. Ao longo da pandemia, Mastorakos e seus colegas da instituição desenvolveram vários modelos de como a covid-19 se espalha.

“Uma parte da forma como essa doença se espalha é a virologia: a quantidade de vírus que você tem em seu corpo, quantas partículas virais você expulsa quando fala ou tosse”, explicou Shrey Trivedi, também do Departamento de Engenharia, ao site da Universidade de Cambridge. “Mas outra parte é a mecânica dos fluidos: o que acontece com as gotas depois de serem expelidas, é aí que entramos. Como especialistas em mecânica dos fluidos, somos como a ponte da virologia do emissor para a virologia do receptor e podemos ajudar na avaliação de risco.”

 

 

Correio Braziliense

 

Gosta de boa música? Clique aqui e ouça a  jfm2.radio.br  A Máquina do Som