MEDEIROS,ULISSES,BARRANCO, EMANUEL – A OPOSIÇÃO CAPENGA DE MT.

A notícia da conta de que o Deputado bolsonarista José Medeiros e o Prefeito Emanuel Pinheiro armam suas armas engripadas para ser o suspiro, daqueles últimos, para tentarem deflagrar um processo de oposição a Mendes em 22, faltando apenas o nome que encabeçaria a empreitada hercúlea. Procura insana de uma agulha em palheiro de quem queira tentar a aventura com possibilidades de vergonha grande.

A gestão de Mendes vai de vento em popa, prefeitos descem para Cuiabá com esperança e voltam com maquinas no reboque, deputados tem tido uma vitrine de realizações que os tem feito acordar cedo e correr na fila de quem consegue melhor lugar para aparece nas fotos e ter oportunidade de discursar, o caixa esta bombando de recursos, as obras são visíveis e apontam para conclusões longe de lançamentos demagógico.  Projetos saem de gavetas numa velocidade Senniana nunca vista, e o público, aplausos e lotações nas incursões do Estado de norte a sul, toma proporções até pouco tempo, inimagináveis. Duro para oposição se contrapor a tantas realidades.

Nesta insólita luta de se opor ao sucesso, os nomes de Medeiros e Pinheiro, como puxadores de aglutinação, não são lá os mais indicados, convenhamos.

A dupla anda meio apagadinha. Medeiros é deputado de um discurso único “Sou o cara do Bolsonaro”, muito pouco para habilitá-lo a peitar o processo, e este “apoio”, parece se restringir a fotos nas costas do capitão e muito marketing pessoal.

Emanuel esta meio sem argumentos, muita bronca e a cada dia, a cada nova operação policial, mais baixas, isolamentos e espaços somente para explicações sobre inúmeros e milionários malfeitos, onde os protagonistas são sempre gente de seu entorno, extrema confiança e credito sem limitações concedido pelo alcaide. Bola nas costas, caneta entre pernas, vaia da virtualidade, advogados cobrando caro e a dona justiça no encalço implacável desta moçada. Emanuel anda com Rivotril no bolso do paletó. Só pode!

A discussão pode até tomar forma, um “Messias” imaginário e saco lilás, poderá surgir das águas secas do momento.

Janelas e fusões de partidos esperados e em burburinho de cooptações e cisões, provocam uma união mambembe de insatisfeitos, alguns muito poucos, diga se de passagem, mas que não aflige MM, Pivetta e MC, afinados e fazendo entregas praticamente diárias a sociedade. É muita realidade palpável para o Estado até 2 anos e pouco atrás, sem perspectivas, prognósticos favoráveis e muita herança maldita nas mesas e gavetas da máquina Estadual.

Pelo andar da colheitadeira moderna, eletrônica e com ar trincando, parece que teremos só pro-formas oposicionistas, oportunistas ou em apostas de notoriedade para ver se sobra algum carguinho no futuro.

Quem diria que a oposição em MT, sem jogo sujo, pirotecnias, sacanagens ou esforços seria banida assim tão celeremente do cerrado. É, está cada dia mais difícil pros caras.