Foto Reprodução

A INFLAÇÃO E O INCREMENTO DO PIB

Por Jeverson Missias de Oliveira *

 

O termo inflação é conhecido por todos aqueles que acompanham noticiários econômicos e se informam sobre a realidade econômica do país. A inflação é caracterizada pela diminuição no poder de compra do dinheiro. Em oposição à inflação, tem-se a deflação, que caracteriza o aumento do poder de compra. Coisa que há tempos não vemos por aqui.

Para os mais jovens fica a informação de que no ano de 1993, ano que antecedeu a implementação do  real, o brasil teve uma inflação acumulada de 2.780,6%. Após isso a economia ficou alguns anos dolarizada e a inflação, finalmente domada.

Entretanto ao longo dos anos o poder de compra do brasileiro vem sendo achatado. Sem aumento real, o salário-mínimo tem o menor poder de compra para alimentos desde 2005. A inflação oficial do brasil fechou 2020 com alta de 4,52%, enquanto os preços dos alimentos acumularam aumento de 14,09% no ano.

Atualmente, com um salário-mínimo é possível comprar quase 1,5 cestas básicas, que custam, em média, 700 e poucos reais. De 2010 a 2019 esse indicador ficou sempre acima de duas cestas, com exceção de 2016, quando diminuiu para 1,93. A cesta básica é composta por 13 itens alimentícios e tem sido base para o cálculo do valor do salário-mínimo necessário para a sobrevivência de um trabalhador e de sua família.

E para quem mora de aluguel, a situação é bem complicada hoje em dia. Índices de reajustes superiores a 30%

Políticas públicas precisam ser implementadas para estimular o crescimento. Essa é a chave para erradicar a pobreza e a fome, além de reduzir desigualdades sociais.

Dentre outras, espera-se a chegada da telefonia de quinta geração vai ajudar o país a cumprir as metas pactuadas na ONU. Com a promessa de revolucionar a economia, o 5G pode fazer o PIB do brasil crescer cerca de US$ 1,2 trilhão (R$ 6,5 trilhões) a mais até 2035. Como sabem, o PIB é a soma de todos os bens e serviços finais produzidos por um país, estado ou cidade, geralmente em um ano.

A ideia do governo é maximizar os investimentos exigidos pelo 5G para levar o país a um novo patamar de desenvolvimento, especialmente nas áreas mais pobres.

A expectativa é que o leilão das licenças ocorra ainda no primeiro semestre deste ano, para que as operadoras vencedoras deem início à construção de suas redes.

Sendo assim a expectativa é que os próximos anos, pós pandemia, pós eleição presidencial o brasil possa voltar a se inserir dentre os países de maior crescimento.

* Jeverson Missias de Oliveira é Economista, Especialista em Ciências Políticas e Administração Pública, Bacharel em Direito, Radialista e Jornalista. É editor deste portal.

 

 

VEJA VÍDEO NO YOUTUBE COM ESSE CONTEÚDO