• Home
  • Saúde
  • Dois milhões de doses da vacina de Oxford chegarão no Rio de Janeiro no sábado

Dois milhões de doses da vacina de Oxford chegarão no Rio de Janeiro no sábado

Os dois milhões de doses da vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela farmacêutica Astrazeneca em parceria com a Universidade de Oxford, que serão importadas da Índia para o Brasil, devem desembarcar no Rio de Janeiro na tarde do próximo sábado (16).

No domingo (17), a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) vai decidir sobre a liberação para uso emergencial de vacinas contra o coronavírus no país.

São dois pedidos à espera de aval. O primeiro foi feito pelo Instituto Butantan, para o uso de 6 milhões de doses da vacina Coronavac que foram importadas da China ainda no ano passado.

Já o segundo o pedido de autorização da Fiocruz para o uso dessas duas milhões de doses da vacina de Oxford.

O Ministério da Saúde avalia marcar o início da imunização em um evento no Palácio do Planalto na terça (19) com governadores. A ideia é vacinar um idoso e um profissional de saúde -a agenda, porém, ainda não foi confirmada.

Atualmente, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, enfrenta críticas por não dar uma previsão exata para o início da imunização, dizendo apenas que deve ocorrer no “dia D” e na “hora H”.

O imunizante será trazido pela companhia aérea Azul em parceria com o governo federal, em um único voo. Um Airbus A330neo, a maior aeronave da frota, vai decolar do Recife nesta quinta (14) rumo à cidade indiana de Mumbai para buscar a carga estimada em 15 toneladas.

O avião será equipado com contêineres que garantem o controle de temperatura de 2ºC a 8ºC, de acordo com as recomendações do fabricante. O voo deve chegar ao Brasil no sábado, pousando no Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio, por volta das 15h.

Assim que a vacina chegar ao Galeão, seguirá para a unidade de Manguinhos da Fiocruz, que fica em Bonsucesso, na zona norte do Rio. Isso porque a vacina precisa ter uma rotulagem nacional para ser distribuída.

É justamente a Fiocruz, que pesquisou os efeitos da substância no país, que colocará as novas etiquetas. Esse processo deve levar um dia.

Na sequência, as doses da vacina seguem para o Centro de Logística do Ministério da Saúde, localizado no bairro do Taboão, em Guarulhos, região metropolitana de São Paulo.

A vacina deve ficar cerca de três dias armazenada em geladeiras que garantam a temperatura. Todo o transporte deve ter esse cuidado, com caminhões equipados.

 

 

 

Informação via FolhaPress, SP