• Home
  • Brasil
  • Bolsonaro vê apagão; analistas descartam e falam em luz mais cara
Foto Reprodução

Bolsonaro vê apagão; analistas descartam e falam em luz mais cara

Ao citar o nível baixo das hidrelétricas, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta terça-feira (1º) que há a possibilidade de apagões no Brasil. Embora reconheçam que o cenário é crítico, especialistas no setor ainda não veem risco de problemas no suprimento.

Bolsonaro falou no assunto em resposta a queixa de usuário do Facebook sobre a adoção de taxa extra na conta de luz, decidida pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) na segunda (30), para bancar o elevado custo de usinas térmicas a gás.

“As represas estão em níveis baixíssimos. Se nada fizermos, poderemos ter apagões. O período de chuvas, que deveria começar em outubro, ainda não veio. Iniciamos também campanha contra o desperdício”, escreveu o presidente naquela rede social.

A declaração surpreendeu especialistas do setor, que, mesmo diante da gravidade da situação dos reservatórios, entendem que o Brasil tem alternativas para substituir as hidrelétricas neste momento. Um experiente técnico com passagem pelo governo disse que o risco de apagão “é zero”.

“Até o momento nossas análises não indicam riscos [de apagão], apenas o custo da energia aumenta com o acionamento de recursos [térmicos], e a bandeira tarifária encaminha esse sinal ao consumidor”, afirma Luiz Barroso, presidente da consultoria especializada PSR.

Todos concordam, porém, que a situação é crítica e precisa ser monitorada de perto. E que a necessidade de poupar água nos reservatórios das hidrelétricas deve prolongar o custo extra na conta de luz. A tarifa adicional imposta pela Aneel na segunda equivale a R$ 6,24 por cada 100 kWh (quilowatts-hora) consumidos.

É o maior valor previsto no programa de bandeiras tarifárias, usado para ajudar a custear as térmicas em tempos de seca.

A cobrança extra representa um recuo com relação a decisão tomada em maio, que havia suspendido qualquer adicional até o fim do ano, para não sobrecarregar consumidores em meio à pandemia.

A agência disse que a revisão foi necessária diante da queda do nível de armazenamento nos reservatórios das hidrelétricas e da retomada do consumo de energia com o fim das medidas de isolamento. O diretor-geral da Aneel, André Pepitone, pediu que os consumidores evitem o desperdício.

Em nota distribuída nesta terça, o ONS diz que está “fazendo a gestão de todos os recursos energéticos disponíveis para garantir o abastecimento de energia”.

“Para os próximos meses, é preciso esperar e avaliar como o período úmido, que começa agora e vai até abril, irá se comportar para definir as estratégias de operação.”

Além do acionamento de térmicas mais caras, o operador propôs a revisão de restrições operativas nas hidrelétricas da bacia do São Francisco, liberando mais energia para o intercâmbio com outras regiões, e em usinas dos rios Paraná e Tietê. Também está autorizada a importação de países vizinhos.

Em novembro, o volume de energia armazenada nos reservatórios das regiões Sudeste e Centro Oeste atingiu a média de 18,1%, a menor para o mês desde 2014. E as perspectivas de chuvas para dezembro não são animadoras: apontam para volumes menores que a metade da média histórica das regiões.

A situação é crítica também no Sul, onde os reservatórios fecharam novembro com 18,6% da capacidade de geração de energia, o menor valor para o mês pelo menos dos últimos 20 anos, segundo mostram os dados do ONS.

A situação só é mais favorável no Nordeste, beneficiado pelo crescimento da geração eólica e por restrições operativas nas usinas do rio São Francisco, com o objetivo de recuperar os reservatórios da seca severa que assolou a região entre 2014 e 2018.

O operador diz que o cenário reflete escassez hídrica vivida pelo país nos últimos anos. Nas regiões Sudeste e Centro-oeste, consideradas a caixa-d’água do sistema elétrico brasileiro, o volume de chuvas no período seco de 2020 foi o terceiro pior da série histórica.

 

 

 

RICARDO DELLA COLETTA E NICOLA PAMPLONA VIA FOLHAPRESS