• Home
  • Justiça
  • Comarca de Chapada dos Guimarães digitaliza mais de 2700 processos físicos
Assessoria

Comarca de Chapada dos Guimarães digitaliza mais de 2700 processos físicos

A Comarca de Chapada dos Guimarães (a 60 km ao norte de Cuiabá) está totalmente digital e avança na efetividade das ações proporcionadas pelos autos tramitando em meio eletrônico. Cerca de 2770 processos físicos já se encontram em ambiente virtual, no sistema Apolo Eletrônico. A ação é resultado da estratégia adotada pelo Poder Judiciário de Mato Grosso, para eliminar o papel do acervo em todo Estado e assim, conferir celeridade, eficiência, otimização de tempo, economia, dentre tantas outras vantagens, tanto para os servidores quanto para o cidadão.
O Juizado Especial foi a primeira unidade a se tornar 100% eletrônica e recentemente com os quase 300 processos já migrados para o Processo Judicial Eletrônico (PJe). Em seguida, a Segunda Vara concluiu a digitalização dos 1.162 autos em papel, inseridos no Apolo eletrônico. A Primeira Vara finalizou a virtualização de aproximadamente 1.300 processos, incluindo o arquivo provisório. Nestas duas últimas serventias o próximo passo será a migração para o PJe.
Esse volume de processos digitalizados reúne os cíveis e criminais, fruto do trabalho de servidores e estagiários de cada unidade, que em força-tarefa, sem deixar de atender as demandas diárias, mantiveram o ritmo para atingir o objetivo para converter todo o acervo físico em digital.
O juiz titular da Primeira Vara e diretor do Foro, Leonisio Salles de Abreu Junior destaca que uma Comarca 100% virtual é importante no sentido de “adequar a prestação jurisdicional e o funcionamento do Poder Judiciário à nova realidade humana pós Covid, evitando-se aglomerações desnecessárias e garantindo assim o acesso à justiça virtual aos nossos clientes”.
De acordo com o magistrado, os ganhos da tramitação eletrônica são vários. “Diminuição de custos, agilidade na localização de dados e informações, gestão de prazos, economia de papel, tinta e preservação do meio ambiente, produzindo menos lixo de escritório.”
A desmaterialização do acervo físico no Judiciário mato-grossense é uma iniciativa da gestão presidida pelo desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha. Quanto a essa ação, o juiz diretor do Foro de Chapada dos Guimarães afirma ser um ato promissor. “Trará muita economia e agilidade na prestação jurisdicional, adequando-se inclusive a nova realidade pós pandemia! Os processos físicos estão com os dias contados!”, afirmou.
Informação via Dani Cunha / Coordenadoria de Comunicação do TJMT