• Home
  • Mundo
  • Protestos crescem no Líbano, manifestantes invadem prédios do governo e ministros renunciam
Policial durante manifestação contra o governo do Líbano, em Beirute, em 8 de agosto de 2020 — Foto: Anwar Amro / AFP

Protestos crescem no Líbano, manifestantes invadem prédios do governo e ministros renunciam

Em reação às explosões em Beirute, que deixaram mais de 6 mil feridos, manifestações avançam sobre prédios públicos e há conflito com a polícia. No domingo (9), os ministros da Informação e do Meio Ambiente se demitem.

 

Manifestantes invadiram ministérios do governo em Beirute e danificaram os escritórios da Associação de Bancos Libaneses, neste sábado (8), enquanto tiros eram disparados em protestos cada vez maiores após a explosão devastadora desta semana. Os protestos no Líbano seguem ao longo do domingo (9).

Cerca de 10.000 pessoas se reuniram na praça Martyrs, algumas arremessando pedras. A polícia lançou gás lacrimogêneo quando alguns manifestantes tentaram quebrar uma barreira que bloqueava a rua que leva ao Parlamento, disse um jornalista da Reuters.

A Cruz Vermelha disse que havia tratado ferimentos em 117 pessoas, e outras 55 foram levadas ao hospital. Um incêndio começou na praça Martyrs, no centro da cidade. Um policial morreu.

Beirute  — Foto: GloboNews

Beirute — Foto: GloboNews

Dezenas de manifestantes invadiram o Ministério das Relações Exteriores, onde queimaram uma fotografia do presidente Michel Aoun, representante para muitos de uma classe política que governou o Líbano por décadas e que dizem ser culpada pela profunda crise política e econômica.

“Ficaremos aqui. Chamamos o povo libanês para ocupar todos os ministérios”, disse um manifestante, com um megafone.

Polícia entra em confronto com manifestantes em Beirute

Imagens de televisão mostraram manifestantes também invadindo os ministérios da Energia e da Economia. Os manifestantes disseram que os políticos deveriam ser enforcados e punidos pela negligência que, segundo eles, levou à gigantesca explosão de terça-feira que matou 158 pessoas e feriu outras 6.000.