• Home
  • Geral
  • DF terá rodízio de alunos e medição de temperatura na volta às aulas
Foto Secretaria Estadual de Educação DF

DF terá rodízio de alunos e medição de temperatura na volta às aulas

O governo do Distrito Federal adotará a medição de temperatura e o rodízio de alunos por turma para diminuir o contágio do coronavírus nas escolas na volta às aulas.

O retorno escalonado está previsto para 31 de agosto. A rede pública tem cerca de 456 mil estudantes, segundo censo de 2019 do governo de Brasília. Desde 13 de julho, os estudantes assistem às lições de casa, por meio do aplicativo Escola em Casa DF.

Nas escolas privadas da capital federal, o retorno à escola será opcional. Os alunos poderão permanecer estudando a distância. Entretanto, poderão ir ao colégio se os pais autorizarem.

O planejamento para as aulas vem num momento em que transmissão do novo coronavírus está descontrolada no Distrito Federal. Até a última atualização, o Ministério da Saúde registrava, no total, 79.400 casos e 1.060 mortes no DF. Foram 1.779 casos e 23 óbitos em 24 horas.

A ideia é que haja 1 rodízio de estudantes de uma mesma turma, que será dividida em 2 grupos. Durante uma semana, apenas 1 grupo terá aulas presenciais enquanto o outro ficará com aulas on-line e atividades em casa.

Haverá escalonamento dos horários de intervalo, refeições, saída e entrada de salas de aula, assim como de horários de utilização de ginásios, bibliotecas e pátios.

Cronograma

Eis as datas de retorno das turmas:

  • 31.ago – EJA (Educação de Jovens e Adultos0 e Educação profissional;
  • 8.set – Ensino Médio;
  • 14.set – anos finais do Ensino Fundamental;
  • 21.set – anos iniciais do Ensino Fundamental;
  • 28.set – Educação Infantil;
  • 5.out – Ensino Especial, Educação Precoce e Classes Especiais.

Sindicato é contra retorno

O Sinpro-DF (Sindicato dos Professores no Distrito Federal) aponta que este não seria o momento de planejar a volta às aulas presenciais. Diz que ainda há elevado risco de contaminação de estudantes e profissionais das escolas. A falta de estrutura é apontada como o principal gargalo.

 

As informações são do PODER 360