Emanuel Pinheiro -Prefeito de Cuiabá. Foto: Gustavo Duarte/Sicom

Prefeito Emanuel Pinheiro continua no cargo, câmara arquiva CPI

A Câmara Municipal de Cuiabá arquivou, em sessão realizada na manhã desta quinta-feira (16), por 13 votos a 9 e 2 ausências, o relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigou o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), acusado de corrupção e de obstrução à Justiça, que pedia o afastamento do gestor por 180 dias.

Votaram pelo arquivamento os vereadores Vinicius Hugney, Chico 2000, Adilson Levante, Adilson Leite, Ricardo Saad, Dr Xavier, Juca do Guaraná, Justino Malheiros, Luis Claudio, Marcrean Santos, Mario Nadaf, Renivaldo Nascimento e Toninho de Souza. 

Misael Galvão (PTB), presidente do Legislativo, não votou, conforme estabelece o Regimento Interno;

A favor do afastamento do prefeito e da instalação de uma Comissão Processante votaram Abílio Junior, Clebinho Borges, Diego Guimarães, Dilemário Alencar, Felipe Wellaton, Lilo Pinheiro, Marcelo Bussiki, Kero Kero e Sargento Joelson.

Assim, o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro permanece no cargo e não será submetido a uma Comissão Processante, que poderia cassar seu mandato.

O amparo principal dos vereadores favoráveis ao arquivamento é que eles não tinham competência jurídica para esse julgamento, sabendo que a suposta irregularidade foi cometida antes do mandato atual de prefeito.

Os vereadores entenderam que o caso deve ser investigado pela Justiça e que os atos praticados, se considerados ilícitos, não correspondem ao período em que Emanuel Pinheiro está à frente da Prefeitura de Cuiabá e não podem ser considerados.

Na época em que Emanuel Pinheiro, ocupava o cargo de deputado estadual e foi gravado recebendo maços de dinheiro de um assessor de Silval Barbosa, e colocando no paletó.

O Ministério Público Federal (MPF), sequer foi ouvido pela CPI, afirma o vereador Luis Claudio, líder do prefeito na Câmara.

 

 

DA REDAÇÃO