• Home
  • Esporte
  • Santos descumpre acordo, paga apenas 30% do salário e irrita jogadores

Santos descumpre acordo, paga apenas 30% do salário e irrita jogadores

O Santos depositou nesta terça-feira (12), com atraso, o salário referente ao mês de abril e descumpriu o acordo feito com o elenco. O clube havia alinhado uma redução de 30% nos vencimentos, mas pagou apenas 30% do total –ou seja, um cortou 70%.

Confirmada pela reportagem, a informação foi revelada pela Gazeta Esportiva. Os atletas não foram comunicados da decisão final da diretoria e foram pegos de surpresa com o valor depositado nesta terça.

O descumprimento do acordo feito ainda em abril irritou boa parte dos jogadores santistas. Os atletas entendem o momento vivido no futebol, mas a falta de diálogo na condução do caso não caiu bem. Alguns cogitam procurar seus advogados particulares para saber como proceder.

O Santos pagou em abril o salário integral, referente a março, mas já ofereceu uma redução salarial de 50% para o mês seguinte. Os atletas rejeitaram e houve um acordo pelo corte de 30% em maio.

Para a surpresa dos jogadores, o presidente santista, José Carlos Peres, voltou atrás no que tinha anteriormente combinado e tentou oferecer uma redução de 70% nos vencimentos deste mês. Os atletas rejeitaram, mas o Santos, mesmo assim, impôs o corte sem avisar e depositou apenas 30% dos vencimentos.

A situação se agrava ainda mais para os jogadores que recebem direito de imagem. Ao contrário do salário, o direito de imagem está frequentemente atrasado no clube, chegando a três meses acumulados para alguns atletas.

Funcionários que recebem até R$ 6 mil foram pagos integralmente. Quem recebe mais do que esse valor teve uma diminuição salarial e recebeu também o valor de R$ 6 mil.

Em contato com a reportagem, um membro do Comitê de Gestão do Santos afirmou que o Santos está dentro da lei na redução de acordo com autorização do Sindesporte e do Sinpefesp.

Também nesta terça, um comunicado foi enviado aos funcionários alertando que a redução de até 70% pode perdurar ainda nos pagamentos que serão realizados em junho e julho.

 

 

 

 

Eder Traskini via FolhaPress