• Home
  • Polícia
  • Homicídios caem, mas letalidade policial aumenta no Brasil

Homicídios caem, mas letalidade policial aumenta no Brasil

O número de mortes violentas no Brasil caiu 10,4% em 2018, quando foram registrados 57.341 homicídios no país, segundo dados revelados nesta terça-feira (10/09) pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). Apesar da queda, o relatório anual mostrou, porém, que houve um aumento recorde na letalidade policial.

Desde 2015, havia um crescimento contínuo no número de homicídios no país. Em 2017, foi registrado o recorde de 64.021 assassinatos, impulsionado principalmente pela disputa de territórios entre facções criminosas. O ano foi marcado pelos massacres em penitenciárias de Manaus, Boa Vista e Natak. A queda atual, que é a maior da série histórica iniciada em 2007, rompe essa evolução. Além disso, a quantidade de mortes violentas foi a menor já registrada desde 2013.

O relatório mostrou que houve uma diminuição de homicídios em 23 das 27 unidades federativas. Os Estados que registraram as maiores queda foram Acre, 25%, Pernambuco, 23,4%, Minas Gerais, 21,4%, Rio Grande do Sul, 21%, e Alagoas, 19%. Já Roraima, Tocantins, Amapá e Pará registraram um aumento no número de mortes.

“A queda retoma o patamar anterior a 2014, que já era alto. A redução não significa que conseguimos mudar a situação de forma significativa, mas que a crise vista em 2016 e 2017 foi em parte superada”, afirmou o diretor-presidente do FBSP, Renato Sérgio Lima, ao jornal O Estado de S.Paulo.

Lima ressaltou que essa queda ocorreu devido à aparente trégua nos conflitos entre facções criminosas e a implantação de políticas estaduais de segurança pública mais eficientes.

O relatório revelou, no entanto, um aumento de 20,1% no número de mortes cometidas por policiais. Em 2018, 6.220 pessoas foram mortas por agentes de segurança civis e militares. A série histórica do fórum mostrou que a letalidade policial vem crescendo constantemente desde 2013.

Enquanto mortes cometidas agentes de segurança seguem em alta, o assassinato de policiais está em queda desde 2016. Em 2018, houve uma queda de 8% em homicídios contra policiais, com 343 mortos, a grande maioria, 75%, foi assassinada quando estava de folga.

A polícia mais letal do país é a do Rio de Janeiro, que matou 1.534 pessoas em 2018, seguida pela de São Paulo, 851, e Bahia, 794. O Estado com o maior taxa de mortes de policiais no país é Pará, seguido do Rio Grande do Norte e Rio de Janeiro.

Outro aumento preocupante foi indicado no relatório. O número de  mortes não esclarecidas cresceu 7% em 2018, chegando a 8.111. Essas mortes não entram nas estatísticas oficiais. Quase um terço das mortes classificadas como suspeita estão concentradas em São Paulo.

O relatório do fórum reúne dados de registros policiais dos Estados e incluiu os números de homicídios dolosos, quando há a intenção de matar, lesões corporais seguida de morte, mortes ocorridas em intervenções policiais e latrocínio – roubo seguido de morte.

Além do número de homicídios, o relatório mostrou também uma redução de 14,1% nos crimes contra o patrimônio, como furto. Houve uma queda de 16,1% no roubo de veículos, 15,9% no de residências, 14,2% a pedestres, 32,8% de bancos e 20,2% de cargas.

Enquanto a violência diminui, o relatório mostrou um aumento nos gastos com segurança pública no país, que chegaram a 91 bilhões de reais em 2018, 3,9% a mais do que no ano anterior. Especialistas, porém, afirmam que há uma não correlação direta entre esses dois fatores.

Com uma das menores taxas de homicídios, São Paulo é um dos Estados que menos gasta em segurança pública. Já Roraima é dos que mais gasta e tem o maior índice de mortes violentas. Investir mais no setor não significa que recursos são aplicados em respostas eficientes, como a investigação. O relatório, por exemplo, mostrou que apenas 0,6% destes 91 bilhões de reais foram destinados a informação e inteligência.

Especialistas ressaltam que investimentos em educação, na qualificação do trabalho policial, principalmente em inteligência e investigação efetiva, e na melhoria do sistema carcerário, além de mudanças na política criminal, são fundamentais para combater a violência no país.

 

Por: Deutsche Welle Brasil