• Home
  • Mundo
  • Parlamento britânico votará quatro alternativas para Brexit
Manifestantes fazem protesto do lado de fora do Parlamento britânico nesta segunda-feira (1º) — Foto: Dylan Martinez/ Reuters

Parlamento britânico votará quatro alternativas para Brexit

O Parlamento britânico votará quatro opções alternativas para o Brexit, anunciou nesta segunda-feira (1º) o presidente da Câmara dos Comuns, John Bercow. A votação parlamentar é mais uma tentativa de evitar uma saída abrupta do Reino Unido da União Europeia, que deve ocorrer em 12 de abril caso não haja nenhuma nova definição.

Veja quais opções os parlamentares britânicos vão analisar:

  • União aduaneira entre o Reino Unido e a União Europeia;
  • Mercado comum e união aduaneira para manter o Reino Unido dentro de dois acordos do continente europeu – o EEA e o EFTA;
  • Referendo confirmatório, ou seja, uma nova votação pública para confirmar qualquer que seja a decisão do Parlamento;
  • Moção de supremacia parlamentar, que, na prática, dá ao Parlamento o poder de decidir se o Reino Unido deixará o bloco realmente sem acordo ou se o Brexit simplesmente é cancelado e o país permanece na União Europeia.
(C) Customs Union(D) Common Market 2.0(E) Confirmatory public vote(G) Parliamentary Supremacy

UK House of Commons

The Speaker has selected the following #Brexit options for #IndicativeVotes this evening:
(C) Kenneth Clarke – Customs Union
(D) @NickBoles – Common Market 2.0
(E) @peterkyle – Confirmatory public vote
(G) @joannaccherry – Parliamentary Supremacy

Britânicos contra o Brexit protestam em frente ao Parlamento, em Londres — Foto: Alkis Konstantinidis/Reuters

Britânicos contra o Brexit protestam em frente ao Parlamento, em Londres — Foto: Alkis Konstantinidis/Reuters

Dessas quatro opções, três já foram rejeitadas pelo Parlamento na quarta-feira passada. Somente a moção de supremacia parlamentar é nova, mas os parlamentares também negaram revogar o Artigo 50 – o que dá seguimento ao Brexit – na votação de semana passada.

'Retome o controle de nossas leis monetárias e acordos de fronteira', diz cartaz fixado em janela de Altrinchan, no Reino Unido. Manifestantes pró-Brexit pedem saída da União Europeia sem acordo — Foto: Phil Noble/Reuters

‘Retome o controle de nossas leis monetárias e acordos de fronteira’, diz cartaz fixado em janela de Altrinchan, no Reino Unido. Manifestantes pró-Brexit pedem saída da União Europeia sem acordo — Foto: Phil Noble/Reuters

 

O Parlamento tomou a decisão de votar, de novo, propostas para o Brexit depois de os parlamentares rejeitarem três vezes o acordo firmado entre a primeira-ministra Theresa May e a União Europeia. A premiê, inclusive, prometeu deixar o cargo caso os colegas aceitassem a proposta.

O presidente da Câmara também tenta reverter o fiasco da votação da semana passada, quanto os parlamentares disseram “não” a oito opções apresentadas.

Última votação

A primeira-ministra britânica, Theresa May, fala no Parlamento, em Londres, na sexta-feira (29) — Foto: Mark Duffy/House of Commons via AP

A primeira-ministra britânica, Theresa May, fala no Parlamento, em Londres, na sexta-feira (29) — Foto: Mark Duffy/House of Commons via AP

Na sexta-feira (29), 344 deputados votaram contra e 286 a favor do acordo de May, deixando o Reino Unido cada vez mais próximo de abandonar o bloco em 12 de abril sem estabelecer os parâmetros para o período de transição ou para sua futura relação com os antigos parceiros.

Com esta rejeição, o governo não poderá prorrogar o Brexit para 22 de maio, como esperava. Então, a nova data para a saída fica, em princípio, fixada em 12 de abril, quando o Reino Unido terá de deixar o bloco europeu sem acordo nenhum – caso até lá não apresente novas propostas e solicite uma prorrogação mais longa.

Por G1