• Home
  • Geral
  • Ditadura prendeu acusados de ‘doutrinar crianças’ em creches em 1978
© REUTERS

Ditadura prendeu acusados de ‘doutrinar crianças’ em creches em 1978

Onze pessoas foram presas em uma operação da Polícia Federal em 1978, durante a ditadura militar, em Curitiba

 

PAULA SPERB- PORTO ALEGRE, RS (FOLHAPRESS) – Acusadas de ensinar marxismo para bebês e crianças de até seis anos em duas creches, onze pessoas foram presas em uma operação da Polícia Federal em 1978, durante a ditadura militar, em Curitiba.

Ao amanhecer de 18 de março, agentes entraram nas casas das famílias, que ainda dormiam. Alguns foram algemados na frente dos filhos, matriculados nas escolinhas.

“É a maior idiotice imaginar que se ensinaria marxismo para uma criança de meses de idade. A acusação se tornou ridícula”, diz o engenheiro Paulo Sá Brito, 69, preso na ocasião. A mulher do engenheiro, Bernadete, foi presa em casa. O casal era fundador de uma das creches.

Chamadas de Oficina e Oca, as escolas foram criadas alguns anos antes por pais que atuavam em forma de cooperativa para cuidar dos filhos, que ainda não estavam em idade escolar. Tarefas administrativas e de limpeza, por exemplo, eram divididas pelos associados. A maioria dos onze presos já era perseguida pela ditadura militar por envolvimento com algum sindicato, passeata ou movimento estudantil na década anterior.

As famílias buscavam um espaço em que as crianças pequenas “não precisassem ficar sentadinhas e decorando conteúdo” antes mesmo do ingresso obrigatório na primeira série, na época aos sete anos, explica a socióloga Carmen Regina Ribeiro, 68. Ela era a diretora da Oficina quando ocorreram as prisões.

“Estava amamentando meu filho recém-nascido, fiquei sentada esperando me buscarem [após saber das demais prisões]. No meio da tarde, resolvi me mexer, fazer uma manifestação e procurar a Cúria Metropolitana”, relembra.

No dia seguinte, na missa dominical de trezentas paróquias de Curitiba, os padres leram aos fiéis a “Carta Aberta ao Povo”, que denunciava as prisões arbitrárias e abusos da ditadura na cidade.

O episódio está descrito no livro “Operação Pequeno Príncipe: Polícia Política e Marxismo Infantil no Paraná” (Editora Prisma, 2016), do historiador José dos Santos de Abreu.

Nas escolinhas, as crianças podiam brincar, criar livremente e os cuidadores se baseavam principalmente nos estudos do biólogo e psicólogo suíço Jean Piaget (1896-1980).

Segundo o autor, a semelhança entre o momento atual (em que banir Paulo Freire faz parte do programa político) e o passado (com Piaget “subversivo”) é “muito grande”.

“A Bernadete Zanetti [uma das presas] conta no filme “Os onze de Curitiba: todos nós” (dir. Valêncio Xavier, 1995) que um interrogador queria saber onde estava o tal Piaget para prendê-lo. Acho que o nível de indigência intelectual desses novos perseguidores dos educadores progressistas não difere muito dos seus antecessores”, diz Abreu.

Em 19 de março de 1978, a Folha noticiou as prisões na capa. Nos dias seguintes, manteve a cobertura sobre o assunto. Em 2 de abril, uma charge do cartunista Jota no extinto caderno “Folhetim”, indicava o tom que a operação passava a adquirir para a opinião pública: piada nacional.

O desenho mostrava um agente federal segurando um preso com uma mão e, na outra, um livro. O policial dizia: “Taqui a prova: Eles davam Chapeuzinho Vermelho pras crianças lerem”, em referência à cor que distingue os simpatizantes do comunismo.

Filha de Carmen, a advogada Anamaria Bueno Ribeiro Guimarães, 46, tinha 6 anos quando frequentava a escolinha. “Eu lembro de tudo muito bem, não tinha nada de marxismo. Nós aprendíamos experimentando com muita criatividade. Era um convívio solidário, de obrigação com o próximo, uma visão que hoje seria muito mais católica do que marxista”, conta.

Para ela, a operação foi “muito ridícula”. Até hoje ela é amiga do ex-colega André Passos, 46, também advogado e filho de Edésio Passos, um dos onze presos. Morto em 2016, Edésio foi uma figura importante no Paraná na luta pelos direitos humanos.

“A Oficina foi uma das experiências mais fantásticas da minha infância, era um ambiente agradável, do conhecimento lúdico, fraternidade e solidariedade. Na hora do lanche, nunca era só o seu. Se era o dia da maçã, todos levavam, elas eram picadas e todo mundo comia”, conta Passos.

O historiador José de Abreu conta no seu livro que o delegado Roberto Monteiro pediu ao reitor da Universidade Federal do Paraná (UFPR) um laudo que respondesse sobre a doutrinação política das crianças nas escolinhas.

Em depoimento ao autor, o delegado disse: “O superintendente, curioso, abriu e já foi ver as respostas dadas e eu me lembro que ele ficou decepcionado. Porque esperava -aliás, era a nossa grande esperança, para um suporte maior à investigação- que o resultado viesse positivo. (…) Ele demonstrou claramente, um aborrecimento”.

Por Notícias ao Minuto