© Reprodução

Caso Daniel: audiência é marcada por tensão entre advogados

Primeiro dia de audiência de instrução do caso Daniel aconteceu nessa segunda (18) em São José dos Pinhais

Três testemunhas prestaram depoimento no primeiro dia de audiência de instrução do caso Daniel – jogador assassinado em outubro do ano passado. Elas foram ouvidas nessa segunda-feira (18) pela juíza Luciani Regina Martins de Paula, no fórum de São José dos Pinhais. O primeiro dia de audiência foi marcado por tensão entre os advogados.

Os advogados Cláudio Dalledone Júnior, da família Brittes, e Nilton Ribeiro, assistente da promotoria, trocaram farpas na sala de audiência. De acordo com o UOL, o tom de voz subiu.

“Ele está falando alto e a juíza interrompeu. Temos excessos do assistente de acusação. Ele está se exaltando, porque as coisas estão fugindo do controle”, disse Dalledone à imprensa após a audiência.

Nilton acusou a defesa dos réus de querer “tirar o foco”. “Ao meu ver, a defesa está tentando jogar fumaça para desviar o foco, mas o crime é bárbaro e hediondo. As testemunhas dizem que Daniel pediu ‘socorro, por favor não me matem'”, relatou o assistente da promotoria.

Cláudio Dalledone Júnior, advogado da família Brittes, também foi questionado diversas vezes por jornalistas sobre a condição mental de seus três clientes. Ele limitou-se a dizer que apenas responderia questões técnicas.

Segundo destaca o UOL, outro ponto de tensão foi o encontro entre Cláudio Dalledone Júnior e Eleandro Passaia antes da audiência iniciar. O apresentador do Tribuna da Massa, da afiliada do SBT no Paraná, arrolado como testemunha de defesa de Edison Brittes, questionou o advogado do motivo de tê-lo colocado na lista de testemunhas.

“Te trouxe para te resguardar. Você não disse que tem documentos e provas?”, rebateu Dalledone. “Posso acreditar em você”?, disse o apresentador no diálogo.

O advogado dos Brittes acusa Eleandro Passaia de mostrar notícias falsas sobre seu cliente. Eles pedem esclarecimentos e o apresentador foi arrolado como testemunha de defesa, porque o advogado acredita que seu depoimento ajudará Juninho Riqueza.

 

NOVA AUDIÊNCIA

A partir das 9h desta terça (19), a juíza Luciani Regina Martins de Paula retoma a audiência de instrução do caso Daniel, que vai decidir se os réus irão a júri popular por participação em diferentes níveis na morte do jogador, em outubro. A audiência deve continuar pelo menos até quarta (20). No total, 77 testemunhas foram arroladas de defesa e acusação.

 

O CRIME

Daniel Correa foi morto no dia 27 de outubro de 2018 depois da festa de aniversário de 18 anos de Allana Brittes. Edison Brittes Júnior, pai de Allana, confessou o crime.

 

Por Notícias ao Minuto