• Home
  • Economia
  • Reajuste de salários ficou em 3% em 2018, ligeiramente acima da inflação
© Agência Brasil Do total de reajustes concedidos no ano passado, 80,1% ficaram acima da inflação

Reajuste de salários ficou em 3% em 2018, ligeiramente acima da inflação

O reajuste médio dos salários negociados entre patrões e empregados em 2018 foi de 3%, segundo o Boletim Salariômetro (íntegra), da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), divulgado nesta 4ª feira (23.jan.2019).

A taxa ficou ligeiramente acima da inflação medida pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) no ano, que foi, em média, de 2,8%. A mediana dos reajustes também foi de 3%.

Do total de reajustes concedidos no ano passado, 80,1% ficaram acima da inflação. Outros 11,2% ficaram em linha com o INPC e 8,7% ficaram abaixo.

O piso médio negociado foi de R$ 1.241 e o mediano, de R$ 1.160. Foram fechados, ainda, 55 acordos com redução de jornada e salário.

No ano, o número de acordos e convenções fechados foi de 29.346, 21,9% inferior ao registrado em 2017, de 37.565. Reajuste, piso e contribuição para sindicatos –depois de a reforma trabalhista extinguir a contribuição obrigatória– foram os itens mais frequentes nas negociações.

 

Comportamento ao longo do ano

Em dezembro, o reajuste mediano foi de 4%, enquanto o INPC acumulado em 12 meses foi de 3,6%. Houve ganho real, portanto, de 0,4 ponto percentual. No mês anterior, o reajuste havia ficado em 4,1% e a inflação, em 4,0%.

De acordo com Hélio Zylberstajn, professor da FEA-USP (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo) e coordenador do Salariômetro, houve 2 cenários em 2018: 1 no início e outro no final do ano.“No 1º semestre, a inflação foi muito baixa e houve ganho real. Com a greve dos caminhoneiros, a inflação disparou em julho e esse espaço sumiu.”

Nos primeiros 6 meses, o INPC ficou abaixo de 2% em fevereiro, março, abril, maio e junho. O ganho real superou 0,6% em todos os meses. Já no 2º semestre, a inflação subiu para mais de 3,5% e o ganho real não superou 0,4% em nenhum dos períodos.

Para 2019, Zylberstajn explica que a expectativa é contrária: o INPC deve ser mais alto no 1º semestre –dificultando a concessão de reajustes superiores à inflação– e mais baixo no 2º semestre –com melhores chances de ganho real.

 

Msn (Mariana Ribeiro, Poder 360)