Foto Michel Alvim

População deve receber nova ciclovia em agosto

Cuiabá conta hoje com 39,9 km de ciclovia e ciclofaixa implantadas em Cuiabá

Atletas, trabalhadores ou quem quiser apenas viver momentos de lazer ao ar livre logo poderão contar com mais 3,6 KM de ciclovia na Rodovia Emanuel Pinheiro (MT-251). A Prefeitura de Cuiabá deve receber a pista até o final de agosto, isso porque o governo do Estado está finalizando a obra de duplicação.

Cuiabá conta hoje com 39,9 km de ciclovia e ciclofaixa implantadas em Cuiabá. Ao todo são três ciclovias distribuídas em algumas das principais avenidas da cidade e uma ciclofaixa. As avenidas Professora Edna Affi  – Avenida das Torres – (24,8 KM), Enéas Cardoso Filho, no CPA III (2,10 KM), na Jornalista Arquimedes Pereira Lima (6,90 KM), a inativa Tatsumi Koga, no Pedra 90 (7,5 KM- não contabilizada) e aos domingos, os adeptos do esporte contam também com a ciclofaixa, na avenida Miguel Sutil (6,1 KM).

Segundo o secretário de Mobilidade Urbana, Antenor Figueiredo, este ano a Prefeitura de Cuiabá dará uma atenção especial para essas vias. “Sabemos da importância das ciclovias e da ciclofaixa, já que mais pessoas utilizam para ir ao trabalho ou mesmo para lazer. Neste segundo semestre devemos entrar em parceria com a Secretaria Municipal de Obras, para fazermos a revitalização da ciclovia da Avenida Enéas Cardoso Filho”, afirma Antenor Figueiredo.

Outra importante ciclovia é a da Avenida Jornalista Arquimedes Pereira Lima, popularmente conhecida como Estrada do Moinho, onde muitos usuários têm reclamado da falta de manutenção. “Sabemos da deficiência da pista, mas por enquanto a Secretaria não pode fazer a revitalização, porque a obra pertence ao governo do Estado. Já estivemos em conversa com a Secretaria de Cidades e assim que finalizada, a obra será entregue para a Prefeitura e receberá os devidos cuidados”, assegura o secretário.

Já para a Tatsumi Koga no bairro Pedra 90 que segue pela BR 364, a Prefeitura aguarda a entrega da obra pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) e por segurança, a ciclovia está temporariamente suspensa. “A Tatsuma Koga, temos um projeto para 2019, porque dependemos do término da obra na BR 364, para sabermos se terá ou não um viaduto. Já tivemos uma conversa com o DNIT e após a entrega, faremos parceria com a Secretaria de Obras para revitalizar o asfalto dentro do perímetro urbano no Jardim Industriário e então colocaremos a ciclovia na ativa novamente”, garante o gestor.

Cuiabá conta também com ciclovia na Avenida Professora Edna Affi, em perfeito estado de uso, toda sinalizada e com faixa pintada no chão sem separação física sendo compartilhada por ciclistas e pedestres.

“O problema na ciclovia da Avenida das Torres, é que os motoristas estão desrespeitando um espaço reservado para os ciclistas, estacionando em local indevido. Conforme o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) eles estão sujeitos a penalidades”, afirma o diretor de Trânsito da Semob, Michell Diniz.

Diniz conta ainda, que por meio da Coordenadoria de Educação para o Trânsito da Semob, a Prefeitura deve fazer campanhas de conscientização, para que os motoristas evitem estacionar sob a pista destinadas aos ciclistas. “Essa gestão busca sempre conscientizar, portanto devemos procurar antes de penalizar, como em todas as outras campanhas, fazer com que o motorista respeite o espaço que não é destinado a ele e caso ele insista em cometer a infração, teremos que autuar”, completa o diretor.

Em 2019, o governo do Estado deve entregar ainda à Prefeitura de Cuiabá, aos cuidados da Semob, a rodovia Arquiteto Helder Cândia, onde haverá mais 2,8 km de ciclovia. A previsão para a entrega da obra é em março do próximo ano. “A meta da Prefeitura de Cuiabá é que até 2023 tenhamos 68,5 KM dentro do perímetro urbano em Cuiabá”, finaliza Antenor Figueiredo.

Ciclofaixa

Inaugurada em 8 de abril de 2015, a ciclovia da Avenida Miguel Sutil tem um caráter de lazer, possui 6,5 km e funciona das 7h às 17h, ligando dois grandes centros de lazer utilizados pela população, a Arena Pantanal e o Parque  Mãe Bonifácia. A ciclovia  tem início na Rua Ranulfo Paes de Barros, no bairro Cidade Alta, e segue pelas Avenidas Agrícola Paes de Barros e Miguel Sutil até as imediações do Parque.

A ciclovia já existe em outras cidades do país e funcionam nos finais de semana e feriados, quando o fluxo de veículos não é intenso. A Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob) é responsável pela administração da faixa e os agentes de trânsito sinalizam toda a extensão com cones que ao final do dia são retirados.

 

Com informações de Ana Claudia Fortes – Semob|Cuiabá