• Home
  • Mundo
  • Zuckerberg depõe no Senado dos EUA por causa do escândalo de mau uso dos dados no Facebook
Mark Zuckerberg depõe no Senado (Foto: REUTERS/Leah Millis)

Zuckerberg depõe no Senado dos EUA por causa do escândalo de mau uso dos dados no Facebook

O fundador de Facebook vai ao Capitólio depois da polêmica desatada pelo caso Cambridge Analytica

O fundador e máximo responsável pelo Facebook, Mark Zuckerberg, depõe nesta terça-feira pela primeira vez ante o Congresso dos Estados Unidos para dar explicações pelo escândalo de Cambridge Analytica e o uso indevido em massa de dados de usuários da rede social, um conflito que se soma e combina com a difusão de propaganda russa nas eleições presidenciais norte-americanas de 2016. A imagem Zuckerberg, de 33 anos e paradigma do sonho empreendedor americano, é desafiada  ante a maior crise da história dessa companhia.

Até agora, o empresário nunca havia comparecia ao Capitolio. A estrela do Silicon Valley, um multimilionário acostumado a se vestir com t-shirts de manga curta e moletom cinza, sempre tinha delegado a seus subordinados a tarefa de oferecer explicações aos legisladores. Neste dias, no entanto, ele passeia por Washington com terno, gravata para enfrentar as novas circunstâncias.

O detonante da audiência desta terça-feira é o caso de Cambridge Analytica: a consultora teve acesso aos dados de 87 milhões de usuários, entre eles mais de 400 mil no Brasil, sem que eles o soubessem, um verdadeiro botim informativo que foi utilizado com fins eleitorais. Serviu à equipe eleitoral de Donald Trump para poder conhecer melhor e segmentar aos votantes em sua carreira à Casa Branca e foi também explorado pelas plataformas partidárias do Brexit no Reino Unido. O Facebook falou primeiro em 50 milhões de contas afetadas, mas na semana passada elevou a cifra. Além disso, o próprio Zuckerberg admitiu que os perfis da maioria era vulnerável a ataques deste tipo.

“Não fizemos o suficiente para evitar que estas ferramentas se utilizassem também para fazer danos. Isso inclui as notícias falsas, a interferência estrangeira nas eleições e os discursos do ódio”, afirma o empresário em sua declaração inicial no Capitólio, segundo o texto difundido no dia anterior.

Por El País Brasil