• Home
  • Brasil
  • Caetano lamenta prisão de Lula e lança playlist política no Spotify
© REUTERS/Mario Anzuoni

Caetano lamenta prisão de Lula e lança playlist política no Spotify

“Eu me sinto mal se penso que soltam foguetes porque um homem foi preso. Talvez porque eu já tenha sido preso”

Menos de dois dias após Luiz Inácio Lula da Silva se entregar à Polícia Federal para cumprir sentença por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, Caetano Veloso se manifestou sobre a prisão. Nesta segunda-feira (9), o cantor e compositor baiano publicou um extenso texto no Facebook, como legenda para uma série de fotos antigas – como a de Evandro Teixeira, registrada em 1968, durante a Passeata dos Cem Mil, em que aparece ao lado de Edu Lobo e Othon Bastos.

“Ouvi foguetes no Leblon. Eu me sinto mal se penso que soltam foguetes porque um homem foi preso. Talvez porque eu já tenha sido preso.”

Caetano, que também publicou um vídeo caseiro em que aparece cantando “Estou Triste”, em homenagem à Marielle Franco, vereadora assassinada no Rio de Janeiro, esclareceu: “Não fico feliz nem de ver Eduardo Cunha preso. E olha que ele está a milhões de anos luz de ter sido o presidente do país que saiu do segundo mandato com 80% de aprovação, retirou milhões da miséria e botou o Brasil na capa da bíblia liberal da imprensa anglófona.”

O baiano ressaltou detestar”polarização”, mas opinou que “os soltadores de foguete de hoje quase me põem a alma numa dessas bolhas mesquinhas. Recuso-me.” Caetano disse: “Respiro fundo, espero o tempo andar, presto atenção em Boulos, na adorável Manuela, no anúncio da divina Marina e na chegada de Joaquim Barbosa. Assim vou me preparando para, com mais firmeza, votar em CIRO GOMES, como uma homenagem a Lula, ao FHC do real, aos esforços para engrandecer o Brasil. #CaetanoVeloso”.

Por fim, Caetano convocou os seguidores para ouvir uma playlist #Política que criou no Spotify, que inclui canções como “Fora da Ordem”, lançada por ele mesmo no álbum “Circuladô” (1991). A lista inclui ainda “Cálice”, de Chico Buarque, “O Bêbado e a Equilibrista”, de João Bosco.

 

Por Notícias ao Minuto Brasil