• Home
  • Polícia
  • Estudante agredida depõe sobre a morte de namorado após briga em motel de Aparecida de Goiânia
Pollyana deixou a delegacia acompanhada do pai e da advogada sem falar com a imprensa (Foto: Murillo Velasco/G1)

Estudante agredida depõe sobre a morte de namorado após briga em motel de Aparecida de Goiânia

Pollyana Carvalho teve lesões por várias partes do corpo. Ela afirmou que, após briga, namorado, Jean Carlos Lopes se matou com uma garrafa quebrada.

A estudante Pollyana Cristine Carvalho, 32 anos, prestou depoimento à Polícia Civil na manhã desta terça-feira (20) sobre a briga que ocasionou a morte do namorado, o empresário Jean Carlos Lopes, de 44 anos, em um motel de Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital. A mulher, que foi agredida e sofreu vários ferimentos pelo corpo, afirmou que ele a espancou e depois se matou usando uma garrafa quebrada.

O crime ocorreu no último dia 4 de março, no Setor Jardim Helvécia. Pollyana chegou foi ouvida por cerca de 1h30 pelo delegado Klayter Camilo no Grupo de Investigações de Homicídios (GIH) de Aparecida, responsável por apurar o caso. Ela chegou acompanhada do pai e de dois advogados. Na saída, ela não preferiu não falar com a imprensa.

Ao final da oitiva, o delegado também afirmou que não vai se pronunciar enquanto o inquérito não for concluído. Ele disse ao G1 que ainda deve ouvir novas testemunhas antes da conclusão das investigações.

O pai de estudante, o funcionário público João Carlos Carvalho disse que a filha já havia sido vítima de violência praticada pelo namorado outras vezes, principalmente, quando ele ingeria bebidas alcoólicas.

“A princípio, na nossa presença, era um homem muito educado, se dava bem. Mas à medida que o tempo foi passando, fui descobrindo vários casos de agressões contra ela”.

“Minha outra filha disse que já o viu puxando o cabelo dela em um bar. Um vizinho o viu enforcando ela. Por último, ele a agrediu quando ela tentava fugir para casa, dando uma rasteira. Ela caiu e se machucou. Ele se transformava quando bebia”, complementa.

Jean Carlos morreu no motel após briga com a namorada, em Aparecida de Goiânia (Foto: TV Anhanguera/Reprodução)Jean Carlos morreu no motel após briga com a namorada, em Aparecida de Goiânia (Foto: TV Anhanguera/Reprodução)

“Nos afastamos algum tempo e depois a gente voltou a coversar. [Ele me procurou] e eu também era apaixonada”, afirmou.

Segundo Carvalho, Pollyana está se recuperando das lesões em casa. Por conta do que ocorreu, salienta, a estudante interrompeu os estudos e não pode trabalhar.

“Foram cortes sérios, mas graças a Deus ela tem uma boa cicatrização. Para se recuperar está mais em repouso, sem fazer muito esforço. A parte pior ainda são todos os prejuízos que ela teve. Primeiro, por ter perdido o semestre na faculdade. Consequentemente, perdeu o estágio que tinha na Assembleia Legislativa, já que não está estudando mais”, diz.

Estudante teve lesões por várias partes do corpo após briga em motel (Foto: TV Anhanguera/Reprodução)Estudante teve lesões por várias partes do corpo após briga em motel (Foto: TV Anhanguera/Reprodução)

Briga

Em entrevista à TV Anhanguera, Pollyana afirmou que Jean Carlos havia bebido e começou a agressão, por pensar que ela estava em outro relacionamento, assim que o casal chegou ao motel.

“Continuava me xingando e [disse] que não ia parar e que nos dois iríamos morrer lá naquele dia”, afirmou.Ela ficou 12 dias internada, dos quais cinco foram em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI). A estudante sofreu cortes no rosto, pescoço, braços e pernas.

“No que eu peguei na maçaneta para ir embora ele me puxou pelos cabelos e me jogou em cima da cama. [Estava] me xingando e me socando. Em seguida, ele pegou uma garrafa e quebrou. Saiu uma ponta nela e já enfiou no meu pescoço”, lembrou.

Ainda segundo o relato, após cortar o pescoço da vítima, ele se matou com a mesma garrafa. “Ele já deitou todo ensanguentado do meu lado, olhando para mim. Esperei um bom tempo para ver se ele se mexia. Quando eu vi que ele não estava mais se movendo levantei e fui cambaleando”, disse.

Por Murillo Velasco e Sílvio Túlio, G1 GO