• Home
  • Política
  • Ezequiel Fonseca não abre mão da disputa eleitoral e já cogita nomes para a substituição de Maggi
Deputado Federal Ezequiel Fonseca - Presidente Regional em MT do PP - Foto Divulgação

Ezequiel Fonseca não abre mão da disputa eleitoral e já cogita nomes para a substituição de Maggi

Ezequiel Fonseca (PP), presidente regional do Partido Progressista, declara que continuam no pleito para concorrer à vaga na majoritária – Governo e Senado, mesmo diante da oficialização da saída do ministro da Agricultura Blairo Maggi (PP) que desistiu de concorrer como senador para à reeleição desse ano.

“O partido não abre mão dessa vaga na majoritária. Nós, a partir de agora, com autorização do ministro, vamos começar a construir um novo nome”, relatou Ezequiel.

Com a recente saída de Maggi, ainda não foram cogitados nomes para a substituição. Mas, o partido já está estudando possíveis candidatos para concorrer à eleição em 2018. O presidente prefere ainda não divulgar quem serão os escolhidos, mantendo sigilo nos bastidores do partido. No entanto afirmou que o PP dispõe de candidatos potenciais para enfrentar o pleito.

“Vamos discutir primeiro. Antes de tomar qualquer decisão, vamos privilegiar quem já está no partido. Existem potenciais candidatos aqui dentro do partido, mas não vou citar, porque estamos conversando”, Enfatizou Fonseca.

Desistência de Maggi gera repercussões no cenário politico de 2018

Recentemente, o ministro a Agricultura, Blairo Maggi oficializou sua desistência a reeleições deste ano por meio de uma coletiva de imprensa (26.02) que aconteceu na AMM (Associação Mato-grossense dos municípios) em Cuiabá.

O motivo da oficialização seria para desvincular seu nome de possíveis pretensões e evitar entraves no cenário politico. Disse ainda, que a sua desistência também se refere a sua vida particular e familiar. Enfatizou que a priorização da vida política acaba deixando outras prioridades de lado.

Ezequiel entende que com a saída de Maggi, a estruturação eleitoral sofrerá mudanças devido à influência e a força política que o ministro Blairo possui.

 

Por Karen Silva, da Redação.