Ordem de despejo no assentamento Terra Esperança é adiada

Deputado Romoaldo Júnior intervém e superintendência do Incra adia ordem de despejo na tentativa de encontrar uma solução para o problema

As 89 famílias do Assentamento Terra Esperança, localizado na região de Mirassol D’Oeste, que estavam em desespero por causa de uma ação de despejo agendada para a tarde da última segunda-feira (23) no fórum da cidade, já se encontram com novo ânimo. Graças a uma solicitação do deputado Romoaldo Júnior (MDB) ao superintendente do Instituto de Colonização e Reforma Agrária em Mato Grosso (Incra), João Bosco de Moraes, houve um estudo mais detalhado no local e a ordem de despejo foi adiada por mais 45 dias para que seja encontrada uma solução para o problema.

“Lá existem famílias que dependem exclusivamente do sustento tirado daquela terra. Estamos aqui para apoiá-las no que estiver ao nosso alcance. É preciso suspender por definitivo a ordem de despejo contra esses assentados”, defendeu Romoaldo.

O vereador Elias Lopes (MDB), o Pelé, conta que foi uma batalha mas, felizmente, a juíza suspendeu, pelo menos por enquanto, a ordem de despejo. “Precisava que o Incra fizesse uma análise da terra para quebrar a ordem de despejo. Portanto, foi de fundamental importância essa intervenção do deputado Romoaldo Júnior.  Agora as famílias vão voltar a ter um pouco mais de sossego e poder continuar plantando e colhendo na terra, que é o que elas sabem fazer de melhor na vida”, disse o vereador, ao informar que o assentamento existe há 4 anos e que no local os trabalhadores se dedicam ao plantio de bananas, mandioca, coco da Bahia, hortaliças em geral e à produção de leite, farinha de mandioca, polvilho, entre outros, que servem ao sustento das famílias e também à comercialização.

 

Por Marcia Regina Martins – Assessoria ALMT