• Home
  • Brasil
  • CCJ da Câmara dos Deputados discute denúncia contra Temer e ministros

CCJ da Câmara dos Deputados discute denúncia contra Temer e ministros

Relator recomendou em parecer a rejeição da denúncia contra o presidente Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral).

RESUMO

  • Termina a fase de discussão na CCJ
  • Após intervalo, relator e advogados vão falar por 20 minutos cada
  • Em seguida deve acontecer a votação

ACOMPANHE

 A reunião é suspensa.

A reunião será suspensa para um intervalo de 30 minutos. No retorno, o relator falará.

A discussão é encerrada.

A deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) diz que há provas fartas, claras, e pede que a CCJ aprove a autorização para que Temer seja investigado.

A deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) diz que as provas estão anexadas aos autos.

A deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) diz que o relatório segue o rito da política.

A deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) fala agora.

A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) diz que o Congresso precisa reagir. “A democracia está em jogo, a credibilidade está em jogo.”

A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) diz que é incompreensível que um Parlamento que autorizou o impeachment de uma presidente eleita não possa autorizar a investigação do presidente pelo STF.

A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) fala agora. Ela tem 10 minutos.

O deputado Júlio Delgado (PSB-MG) diz que ocorre atualmente um retrocesso social, de direitos e político no Brasil.

O deputado Júlio Delgado (PSB-MG) elenca 15 “ações desastrosas” ocorridas nos 15 meses do governo Temer.

No vídeo exibido, Lúcio Funaro fala sobre a entrega de propina para o ex-deputado Eduardo Cunha, que a repassava para membros do PMDB, entre eles o presidente Michel Temer.

 É feita a exibição do vídeo, um trecho de um dos depoimentos do doleiro Lúcio Funaro.

O deputado Júlio Delgado (PSB-MG) pede que um vídeo seja exibido.

O deputado Júlio Delgado (PSB-MG) fala agora.

 O deputado Nelson Pellegrino (PT-BA) diz que existem elementos na denúncia suficientes sobre a participação do presidente nos crimes.

O deputado Nelson Pellegrino (PT-BA) diz que os fatos imputados são graves, e o “governo continua criando vários danos à nação”.

 O deputado Nelson Pellegrino (PT-BA) diz que ninguém nega a gravidade dos fatos contidos na denúncia, nem os que defendem Temer.

O deputado Nelson Pellegrino (PT-BA) diz que a peça em si da denúncia tem elementos de fragilidade, mas se for examinado o que acompanha a peça, “há farta documentação, há provas, e não é só delações”.

O deputado Nelson Pellegrino (PT-BA) fala agora.

O deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA) diz que não existe prova de culpa no processo, assim como não existe prova de inocência.

O deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA) diz que é preciso não se estabelecer a culpabilidade antes de que seja feita a investigação e o processo.

 O deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA) diz que não quer para Rodrigo Maia, presidente da Câmara, uma presidência interina, caso Temer seja afastado, quer vê-lo como presidente eleito para um mandato completo.

O deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA) diz que os deputados de oposição estão movidos por mágoa devido ao impeachment da ex-presidente Dilma.

O deputado federal José Carlos Aleluia (DEM-BA) diz que radicalizações são consequências normais de crise.

A deputada Margarida Salomão (PT-MG) apela aos membros da comissão para que derrotem o relatório.

A deputada Margarida Salomão (PT-MG) diz que a comissão tem pela segunda vez a oportunidade de resgatar a dignidade parlamentar.

A deputada Margarida Salomão (PT-MG) diz que estamos vivendo um momento de absoluta desmoralização do Legislativo.

A deputada Margarida Salomão (PT-MG) fala agora.

O deputado José Mentor (PT-SP) critica a reforma trabalhista e a reforma da Previdência.

 
 O deputado José Mentor (PT-SP) diz que não se está diante de um caso sem provas. “Aqui são ações que contaram com a colaboração de pessoas, que levaram esses fatos ao MP e à PF, e foram articuladas operações controladas. Não são meras delações.”

O deputado José Mentor (PT-SP) fala sobre casos de delatores presos durante meses com delações recusadas, e só tiveram delações aceitas depois que falaram sobre o ex-presidente Lula.

O deputado José Mentor (PT-SP) fala sobre a operação Lava Jato.

O deputado José Mentor (PT-SP) fala agora.

O deputado Diego Garcia (PHS-PR) diz que espera que os parlamentares votem a favor do povo brasileiro no plenário.

O deputado Diego Garcia (PHS-PR) diz que é fundamental que o processo seja autorizado.

O deputado Diego Garcia (PHS-PR) diz que “não dá para ficar de braços cruzados, livrando pessoas de encararem a Justiça”.

O deputado Diego Garcia (PHS-PR) diz que a Câmara precisa autorizar o processo.

O deputado Diego Garcia (PHS-PR) diz que “temos um presidente chefe de quadrilha, líder de organização criminosa. É como se a gente fosse assaltado e depois entregasse a chave da casa para o principal suspeito do roubo.”

 O deputado Diego Garcia (PHS-PR) diz que “é no mínimo revoltante saber que tanto dinheiro foi escoado dos cofres públicos para enriquecer uma dúzia de governantes sedentos.”

O deputado Diego Garcia (PHS-PR) fala agora. Ele terá 15 minutos.

O deputado Pepe Vargas (PT-RS) fala sobre o impeachment da ex-presidente Dilma.

Ainda há seis deputados inscritos para falar. Depois disso, haverá um intervalo para o almoço, com a fala do relator e dos advogados no retorno. Apenas após isso será feita a votação.

O deputado Pastor Eurico (PHS-PE) diz que vota pela admissibilidade da denúncia.

O deputado Pastor Eurico (PHS-PE) diz que quem está no poder não está acima da lei. Ele afirma que respeita Temer, mas questiona quem diz que a denúncia é frágil e que a investigação pode ficar para depois. “Nós não podemos concordar com isso.”

O deputado Pastor Eurico (PHS-PE) diz que o governo Temer não é ilegítimo porque ele foi eleito na mesma chapa que a do PT.

O deputado Pastor Eurico (PHS-PE) diz que se não fossem os militares o Brasil seria hoje “uma Cuba piorada, uma Venezuela desgraçada”.

 O deputado Pastor Eurico (PHS-PE) diz que não defende ditadura, mas que não concorda com essa nomenclatura.

O deputado Pastor Eurico (PHS-PE) fala agora. Ele terá 15 minutos.

O deputado Aliel Machado (Rede-PR) diz que a Câmara estará cerceando a Justiça se não permitir a continuidade do processo.

O deputado Aliel Machado (Rede-PR) diz que “Temer se agarra naqueles que são iguais a ele, porque quem defende coisa errada está fazendo coisa errada também”.

O deputado Aliel Machado (Rede-PR) diz que Temer se mantém no poder, apesar de não ter apoio da população, porque vende a alma para controlar o Congresso.

O deputado Aliel Machado (Rede-PR) diz que se a denúncia é frágil, os deputados que defendem Temer não precisam ter medo do Supremo. “Não tentem fazer no jogo político, na compra barata.”

O deputado Aliel Machado (Rede-PR) fala agora. Ele terá 15 minutos.

 O deputado Rubens Bueno (PPS-PR) diz que votará pelo prosseguimento do processo, por ter convicção de que os fatos comprovados em dois inquéritos são determinantes para que o STF diga se vai processar ou não.

O deputado Rubens Bueno (PPS-PR) diz que o que está acontecendo com o Brasil é um acerto de contas “com as quadrilhas organizadas dentro do poder público”.

O deputado Rubens Bueno (PPS-PR) diz que o parecer dado pelo relator não o convence.

O deputado Padre João (PT-MG) fala agora.

O deputado Pedro Uczai (PT-SC) diz que mesmo que se salvar, o presidente Temer terá que enfrentar novas denúncias de corrupção.

O deputado Pedro Uczai (PT-SC) diz que a presidente Dilma foi tirada do governo sem nenhuma razão jurídica ou política.

O deputado Pedro Uczai (PT-SC) fala agora. Ele tem 10 minutos.

O deputado Ságuas Moraes (PT-MT) diz que espera que aqueles que votaram pela suspensão da primeira denúncia possam mudar sua opinião.

 O deputado Ságuas Moraes (PT-MT) fala agora. Ele defende o prosseguimento do processo.

O deputado Paes Landim (PTB-PI) fala agora. Ele tem 15 minutos.

O deputado Rubens Pereira Júnior (PCdoB-MA) defende voto contra o relator, favorável à autorização do processo.

O deputado Rubens Pereira Júnior (PCdoB-MA) diz que manter o presidente Temer no poder é o que mantém a crise no país. “Nesta denúncia, quem não está preso está no Palácio do Planalto.”

O deputado Rubens Pereira Júnior (PCdoB-MA) diz que se o crime de organização criminosa não fosse suficiente, ainda há o de obstrução da Justiça.

Deputados oposicionistas do PSB, com o apoio do presidente do partido, conseguiram colher as assinaturas necessárias para destituir a líder da sigla na Câmara dos Deputados, Tereza Cristina, antes da votação da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer na Comissão de Constituição e Justiça, informa o repórter Nilson Klava, da GloboNews.

O deputado Rubens Pereira Júnior (PCdoB-MA) diz que Temer é o chefe da organização criminosa.

O deputado Rubens Pereira Júnior (PCdoB-MA) diz que os acusados não estão sendo denunciados pelos crimes cometidos anteriormente, antes do mandato.

O deputado Rubens Pereira Júnior (PCdoB-MA) diz que nunca antes na história deste país tivemos este achincalhe com a instituição da presidência da República”.

 O deputado Rubens Pereira Júnior (PCdoB-MA) fala agora.

O deputado Jorge Solla (PT-BA) diz que quanto mais cedo Temer sair do governo, “menor a destruição deste país”.

O deputado Jorge Solla (PT-BA) diz que “se juntar todas as malas de Temer, é capaz de dar mais do que acharam no apartamento de Geddel”.

O deputado Jorge Solla (PT-BA) diz que os que estão defendendo Temer não têm coragem de dizer suas razões.

O deputado Jorge Solla (PT-BA) fala agora. Ele terá 10 minutos.

O deputado Delclides Macedo (PDT-MA) diz que a investigação deve ser autorizada.

O deputado Delclides Macedo (PDT-MA) fala agora.

A deputada Erika Kokay (PT-DF) diz que o governo Temer destrói o patrimônio nacional, retira direitos e tem como sua estratégia a sua permanência.

A deputada Erika Kokay (PT-DF) diz que o presidente Michel Temer “está pagando a conta do golpe”.

 A deputada Erika Kokay (PT-DF) diz que houve pagamento de parlamentares para cassar a ex-presidente Dilma.

A deputada Erika Kokay (PT-DF) diz que se Temer tivesse sido eleito, não estaria desprezando a opinião da população.

A deputada Erika Kokay (PT-DF) diz que há materialidade na denúncia.

A deputada Erika Kokay (PT-DF) fala agora.

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) pede que seja aprovada a autorização para a investigação.

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) critica as mudanças na fiscalização do trabalho escravo.

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) diz que boa parte dos parlamentares estão destruindo suas biografias.

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) diz que há inúmeros indícios de que o presidente e os ministros devem ser investigados. Ele ressalta que os deputados vão apenas decidir se eles poderão ser investigados.

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) diz que o presidente Michel Temer é o chefe da organização criminosa que atua no governo.

 O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) fala agora. Ele tem 10 minutos.

O deputado Toninho Pinheiro (PP-MG) diz que a maneira de se governar no Brasil deve ser mudada.

O deputado Toninho Pinheiro (PP-MG) diz que investigar e punir é importante, mas é muito pouco.

O deputado Toninho Pinheiro (PP-MG) diz que o que o povo quer hoje é acabar com os ladrões, não deixar roubar.

O deputado Toninho Pinheiro (PP-MG) fala agora. Ele terá 15 minutos.

Deputados discutem na CCJ devido à fala do deputado Delegado Waldir (PR-GO) que disse que muitos parlamentares presentes deveriam estar presos.

O deputado Delegado Waldir (PR-GO) diz que muitos parlamentares deveriam estar presos.

O deputado Delegado Waldir (PR-GO) fala sobre a negociação de emendas e projetos por parte do governo.

O deputado Delegado Waldir (PR-GO) diz que o julgamento é político, não jurídico.

 O deputado Delegado Waldir (PR-GO) diz que quem está salvando neste momento o país é a Polícia Federal, o Ministério Público Federal.

O deputado Delegado Waldir (PR-GO) fala sobre a carta enviada por Temer aos parlamentares.

O deputado Delegado Waldir (PR-GO) reclama de ter sido tirado da CCJ na primeira votação contra Temer.

O deputado Delegado Waldir (PR-GO) fala agora.

O deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS) pede que a população, antes de dar o voto a alguém, veja quem está elegendo.

O deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS) diz que quem tem o poder tem a influência. “Foi o poder que devolveu ao poder o Aécio.”

O deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS) diz que as denúncias são bem graves, e diz que a sociedade tem que ficar de olho nos deputados. “Tem deputados aqui que vão votar com o presidente Temer, até porque também estão denunciados no STF. E mais do que isso, porque aqui também tem o toma lá, dá cá.”

O deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS)  diz que existem provas bem consistentes que apontam a responsabilidade do presidente e dos ministros, mas diz que a Procuradoria deveria ter ido mais a fundo.

O deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS) ressalta que os deputados não estão investigando nem processando o presidente.

 O deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS) é o primeiro a falar nesta quarta. Ele terá 15 minutos.

A nova reunião da CCJ é aberta novamente, agora para discutir a denúncia contra o presidente Michel Temer.

Os deputados decidem pela abertura de uma nova reunião para a discussão da denúncia contra Temer e a abertura de um novo painel para a a inscrição dos parlamentares.

O deputado Chico Alencar (PSOL-RJ) diz que está havendo um desrespeito à cidadania com o esvaziamento da comissão.

Os deputados discutem como serão os procedimentos e se haverá abertura de novo painel para registro de presença dos deputados.

O deputado Ivan Valente (PSOL-SP) critica o esvaziamento da reunião da CCJ e da discussão da denúncia contra Temer.

Por enquanto, os deputados discutem outros temas antes de entrar na denúncia contra Temer.

Começa a sessão da CCJ desta quarta. Os deputados vão continuar a discussão do relatório que recomenda a rejeição da denúncia contra Temer.

Ao todo, 47 deputados já se pronunciaram, dos quais 35 contra o presidente e 12, a favor.

 Ainda há nove deputados inscritos para discutir o parecer, mas outros parlamentares ainda podem se inscrever. Depois disso, o relator e cada um dos advogados de defesa terá 20 minutos para falar. Somente após esse processo ocorrerá a votação, que será nominal, e está prevista para esta quarta.

A CCJ da Câmara retoma nesta quarta a discussão do relatório que recomenda a rejeição da denúncia contra o presidente Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco. A reunião está marcada para as 10h.

Do G1