ALMT : Projeto de prevenção ao suicídio está apto à apreciação do Plenário

A medida visa identificar os possíveis sintomas que levam ao suicídio, como depressão, transtorno bipolar, esquizofrenia entre outros

Setembro recebeu  a classificação de mês amarelo em alusão à conscientização do população sobre o crescente índice de suicídio. O intuito da ação é tratar de um assunto que ainda é considerado “tabu” em todas as esferas sociais. Autor de um projeto de lei (PL 556/2015) sobre o assunto, o deputado Dr. Leonardo (PSD) é médico psiquiatra e aponta como uma das maiores causas do suicídio, a depressão – considerada a doença do século. Apresentada no ano passado, a proposta já passou por todos os trâmites regimentais na Assembleia Legislativa e agora  vai à apreciação do Plenário em setembro.

O projeto institui o Plano Estadual de Combate ao Suicídio que tem por objetivo identificar os possíveis sintomas e tratar o transtorno mental ou psicológico que pode incluir depressão, transtorno bipolar, esquizofrenia, alcoolismo e abuso de drogas. O plano deverá oferecer acompanhamento aos indivíduos que apresentarem o perfil, minimizando a evolução dos quadros que podem culminar no suicídio.  A matéria prevê ainda, a criação de um sistema de coleta de dados integrados à Secretaria de Estado de Saúde, a fim de identificar e monitorar possíveis casos para avaliação e cuidado.

“O Estado tem papel relevante para o tratamento desse transtorno, identificando possíveis sintomas, acompanhando e oferecendo possibilidades de recuperação aos que necessitam”, explicou.

Relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS) aponta que 804 mil pessoas cometem suicídio todos os anos. No Brasil, o elevado número de suicídios é alarmante e o coloca entre os dez países com as taxas mais elevadas da morte auto-infligida.

“Dificuldades financeiras ou emocionais desempenham um fator significativo para evolução do quadro. O suicídio tem se tornado mais comum, apesar de ainda ser um tabu devido a questões religiosas. Houve aumento no mundo todo e é um problema que afeta todas as idades. Podemos prevenir sim o suicídio, com o acompanhamento médico e principalmente o apoio da família, que é fundamental. A pessoa que pensa em tirar a própria vida precisa de atenção e cuidados”, destacou.

Por Lis Ramalho – ALMT