• Home
  • Educação
  • Reforma administrativa na área de Ciência e Tecnologia em debate na ALMT

Reforma administrativa na área de Ciência e Tecnologia em debate na ALMT

Audiência pública contou com a participação de representantes de diversos segmentos do Estado. O requerente da audiência, deputado Dr. Leonardo destacou que o objetivo colaborar para que a reforma tenha impacto positivo.

A segunda audiência pública para discutir a política de ciência e tecnologia na nova reforma administrativa do Poder Executivo estadual contou com a participação, em massa, de professores e alunos das instituições, de vários municípios, ligadas ao tema.

Secretários de governo e deputados estaduais participaram das discussões, como forma de ampliar os debates. O requerente da audiência, deputado Dr. Leonardo (PSD) destacou que o objetivo era debater com os envolvidos, no intuito de colaborar para que a reforma seja feita da melhor maneira, tendo impacto positivo nesta área.

A especulação quanto ao conteúdo da nova reforma administrativa, voltada à área de ciência e tecnologia, causou preocupação. E para que fossem sanadas as dúvidas sobre à possível extinção da Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia (Secitec) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Mato Grosso (Fapemat), o parlamentar realizou duas audiências. A primeira foi em Cáceres, tendo em vista que a iniciativa partiu dos professores daquele campus.

“Sabemos que a mudança virá (para a Assembleia), e nós, enquanto representantes públicos, estamos preocupados com os rumos da política de ciência e tecnologia, bem como a educação básica, nível superior, as bolsas e o fortalecimento das instituições. O debate é para contribuir e levar ao governo, a proposta daqueles que vivem isso diariamente, como forma de contribuir e auxiliar o Estado”, disse.

O secretário-chefe da Casa Civil, Paulo Taques, foi categórico ao afirmar que o governo nunca cogitou a possibilidade de extinguir a Secitec, mas admitiu que uma possível fusão, com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec) pode acontecer e citou o estado de São Paulo, como exemplo.

“Em momento algum, o governador Pedro Taques falou em acabar com a Secitec. O que acontece é que o governo precisa passar por uma reforma administrativa para economizar o dinheiro público, gastar menos e gastar melhor. A fusão de duas pastas não fará com que elas percam o seu propósito principal, ela continuará fazendo e fomentando a pesquisa, inovação, ciência e tecnologia. Sobre a Fapemat nunca houve nenhuma discussão para extingui-la”, garantiu.

O secretário aproveitou o momento e convidou todos os professores da Universidade Estadual de Mato Grosso (Unemat), sindicatos e associações, para uma reunião com o governador, nesta quarta-feira (13), no Palácio Paiaguás.

Ciência e Tecnologia – Criada em 2002, a Secitec tem o orçamento de R$ 49 milhões, contudo, este ano, já sofreu um corte de 25%. A pasta é responsável por nove escolas, tendo um total de 6 mil alunos. A Unemat hoje conta com uma estrutura de 13 campi, que abriga mais de 16 mil alunos. São 1,2 mil professores, destes, 848 efetivos e 352 contratados, além de 640 técnicos. A instituição tem o orçamento de aproximadamente R$ 300 milhões. Já a Fapemat conta com R$ 38 milhões, que são investidos através de bolsas de iniciação científica e doutorado, sendo aproximadamente 570 bolsas.

Por LIS RAMALHO/Assessoria de Gabinete

Imagem Marcos Lopes/ALMT