• Home
  • Política
  • Em gravação, ministro da Transparência orienta Renan na Lava Jato

Em gravação, ministro da Transparência orienta Renan na Lava Jato

Diálogo entre Fabiano Silveira e peemedebista foi gravado na residência oficial do Senado em 24 de fevereiro, quando o atual ministro era conselho do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Ele também fez recomendações a Sérgio Machado

Do Congresso em foco

O ministro da Transparência, Fiscalização e Controle, Fabiano Silveira, orientou o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), a não antecipar informações à Procuradoria-Geral da República relativas à Operação Lava Jato. É o que mostra gravação feita pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado exibida pelo Fantástico, da TV Globo. Segundo Machado, Silveira procurou agentes do Ministério Público Federal para levantar dados sobre Renan nas investigações.

O diálogo entre Fabiano Silveira e Renan foi gravado na residência oficial do Senado em 24 de fevereiro, quando o atual ministro era do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O ministro também fez recomendações a Machado sobre como ele deveria se comportar diante de uma medida cautelar.

Renan demonstra preocupação com um inquérito que apura se ele e o ex-presidente da Transpetro receberam propina por meio de doações eleitorais para facilitar a vitória de um consórcio de empresas para renovar a frota da subsidiária da Petrobras. Segundo o doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa, a campanha de Renan recebeu duas doações no valor total de R$ 400 mil em troca do negócio.

Na reunião, após Machado ler a versão de Paulo Roberto, Silveira aconselha Renan. “ A única ressalva que eu faria é a seguinte: está entregando já a sua versão pros caras da… PGR, né. Entendeu? Presidente, porque tem uns detalhes aqui que eles… (inaudível) Eles não terão condição, mas quando você coloca aqui, eles vão querer rebater os detalhes que colocou (inaudível)”, diz o hoje ministro.

Funcionário de carreira do Senado, Fabiano Silveira assumiu a pasta criada pelo presidente interino Michel Temer para substituir a Controladoria-Geral da União (CGU), responsável pelas ações de combate à corrupção e pelos acordos de leniência com as empresas denunciadas.

O ministro também disse que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e sua equipe “estão perdidos nesta questão”. “Eles foram lá buscar o limão e saiu uma limonada”, declarou. Segundo o Fantástico, Silveira procurou integrantes da força-tarefa da Lava Jato em busca de informações sobre inquéritos contra Renan.

Ele disse à TV Globo que esteve na reunião na casa do presidente do Senado “de passagem”, que não tinha relações com Machado e que esteve “involuntariamente”, em uma conversa informal. Ele afirmou que jamais intercedeu junto a instituições públicas em favor de terceiros. Renan, segundo a reportagem, não retornou os contatos.

Leia Tambem:

CGU tem entrega de cargos em massa em protesto contra ministro

Em protesto contra o ministro da Transparência, Fiscalização e Controle, Fabiano Silveira, chefes de 23 representações estaduais da Controladoria-Geral da União (CGU) e outros 200 ocupantes de cargos de direção e assessoramento superior (DAS) anunciaram a entrega de seus cargos nesta segunda-feira (30). Eles afirmam que não trabalham com o novo ministro e cobram a imediata saída de Fabiano, flagrado em conversa gravada orientando o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado a se defenderem na Operação Lava Jato.

Os nomes dos chefes demissionários foram lidos em um carro de som durante o protesto que barrou a entrada de Fabiano no ministério e promoveu uma lavagem, com água e sabão, na fachada da CGU e no nono andar, onde fica o gabinete do ministro. Um grupo de servidores da CGU cercou o carro de Fabiano e o impediu de entrar na sede do ministério. Cerca de 200 pessoas, segundo a Polícia Militar, ocupam a entrada do prédio, localizado no Setor de Autarquias Sul. Os manifestantes devem sair daqui a pouco em marcha até o Palácio do Planalto para cobrar a demissão de Fabiano.

Em nota divulgada nesta manhã, o Sindicato Nacional dos Analistas e Técnicos de Finanças e Controle (Unacom) pediu a saída imediata de Fabiano Silveira. “O Sr. Fabiano Martins Silveira, ao participar de reuniões escusas para aconselhar investigados na operação Lava Jata, bem como ao fazer gestões junto a autoridades e órgãos públicos a fim de apurar denúncias contra seus aliados políticos ‘demonstrou não preencher os requisitos de conduta necessários para estar à frente de um órgão que zela pela transparência pública e pelo combate à corrupção’”, afirma o comunicado assinado por Rudinei Marques, presidente do Unacom Sindical.

Além de cobrar a exoneração imediata de Fabiano Silveira, o sindicato também pede a revogação da medida provisória assinada pelo presidente interino Michel Temer que criou o Ministério da Transparência, alterando a estrutura da CGU. Outro ponto reivindicado pelos sindicalistas é a aprovação da proposta de emenda à Constituição (PEC 45/2009) que dá “soberania” à CGU para investigar e apresentar laudos. Embora tenham conseguido o apoio de todos os líderes partidários. chegoua ficar em primeiro lugar nalista de prioridades.renan negou e disse que a pauta era muito corporativista e não botou

O diálogo entre Fabiano Silveira e Renan foi gravado na residência oficial do Senado em 24 de fevereiro, quando o atual ministro era conselho do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O ministro também fez recomendações a Machado sobre como ele deveria se comportar diante de uma medida cautelar, conforme revela reportagem do Fantástico. Funcionário de carreira do Senado, Fabiano é considerado indicação de Renan para o ministério.