O Brasil que agoniza – final

Abro este último artigo com uma importante contribuição do amigo Serafim Carvalho Mello, uma das remanescentes cabeças pensantes de Mato Grosso: “a gente não pode perder a capacidade de se indignar. Temos que refletir e agir sempre, cada um a seu modo no sentido de corrigir para melhorarmos sempre. Realmente estamos vivendo novos tempos e é preciso que toda a sociedade reflita sobre os mesmos, decorrentes de atitudes e estímulos daqueles em quem confiamos para dirigir nossos Clubes de Futebol, por exemplo; daqueles que nos representam nos parlamentos, em todos os níveis, enfim aqueles que decidem por nós. (…)  “É um momento que nos chama à reflexão”.

Na agonia que chegou ao auge em 2015/2016, alguns Brasis morrem rangendo porque nasceram há muito tempo e são resistentes. Vale a pena citá-los:

1 – A Constituição “cidadã”, um instrumento de autoritarismo social e parlamentar construído pra travar o Brasil;

2 – um sistema político, partidário e eleitoral construído pra alimentar pra sempre um tipo de poder de poucos sobre muitos;

3 – um maldito “presidencialismo de coalizão” onde os poderes executivos são tomado de assalto por partidos políticos oportunistas;

4 – um Congresso Nacional que não representa quem diz representar, assim como todos os parlamentos;

5 – um poder Judiciário anestesiado e indiferente ao senso de justiça;

6 –  um serviço público corporativista, descompromissado com a sociedade e presa dos seus próprios interesses alimentados por vitaliciedade e benefícios exclusivos;

7 – sistemas previdenciário, trabalhista, tributário, administrativo, político construídos a partir de ideologias e da má fé do pacto federativo brasileiro.

8 – um sistema de educação vergonhosamente estatístico e ideológico descompromissado com a sociedade e com o seu futuro;

9 – um sistema de saúde construído de forma a alimentar sistemas de poder econômico e  político cooperativos entre si, de forma a se capitalizarem criminosamente usando a saúde;.

10 – morre um Brasil velho que hoje se envergonha de si mesmo. O novo me preocupa porque não faltam apenas líderes. Faltam inspiradores. Uma longa de nova conversa pra futuros artigos.

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso

onofreribeiro@onofreribeiro.com.br   www.onofreribeiro.com.br