• Home
  • Transporte
  • Wellington quer consolidação de rodovia criada por Juscelino Kubitschek

Wellington quer consolidação de rodovia criada por Juscelino Kubitschek

 

Um dos projetos rodoviários mais antigos e de maior importância econômica e social para o Brasil e toda a região Centro-Norte do país está perto de se tornar realidade. Concebida pelo presidente Juscelino Kubitschek, em 1973, a implantação definitiva da BR-242, conhecida popularmente como “Rodovia Transbananal”, foi tema de ampla discussão nesta terça-feira, 10, na Comissão de Viação e Transporte da  Câmara dos Deputados. “Esse é um projeto fundamental para o desenvolvimento de nosso país” – afirmou o senador Wellington Fagundes (PR-MT).

 

Membro da Comissão de Infraestrutura do Senado e presidente da Frente Parlamentar de Logística em Transporte e Armazenagem (Frenlog), Wellington reafirmou o entusiasmo que tem com a região do Vale do Araguaia, por conta do potencial de produção local, e enalteceu a mobilização e os esforços que estão sendo empreendidos com essa finalidade.

 

A Transbananal é uma rodovia que cruza o Brasil de leste a oeste, ligando três regiões (Centro-Oeste, Norte e Nordeste) e possui extensão de 2.364,2 km, cortando os Estados de Mato Grosso, Bahia e Tocantins. O traçado possui interesse estratégico, já que representa um novo corredor de exportação e integração. O empreendimento foi previsto inicialmente no Plano Nacional de Viação de 1973.

 

Quando estiver totalmente concluída, a rodovia  permitirá a abertura de fronteiras agrícolas, turísticas e criará uma nova matriz de escoamento da produção. Em relação aos tradicionais corredores em direção aos portos de Santos (SP) e Paranaguá (PR), os novos trechos poderão reduzir em até mil quilômetros a viagem feita atualmente.

 

A rodovia tem ainda o potencial de interligar diferentes modais de transportes, o que segundo ele, é fundamental para a redução de custos. “Com a BR 242 completa, ficará mais fácil acessar a Ferrovia Norte-Sul (FNS), a Ferrovia de Integração Oeste Leste (FIOL) e a Ferrovia de Integração Centro-Oeste (FICO), que receberão cargas e darão andamento, sem problemas, às nossas exportações”, explicou Wellington Fagundes.

 

Segundo informou o senador, a diretoria do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit)  deverá licitar os estudos para que, de um a dois anos, haja a possibilidade de fazer com que o sonho de diminuir o Custo Brasil seja realizado. Na visão de Wellington, isso deverá ser feito de forma sustentável, em que o foco seja a promoção do desenvolvimento socioeconômico e ambiental na região.

 

“Não adianta fazermos os procedimentos necessários no atropelo e sem seguir as leis. O Brasil é um país democrático, com acordos internacionais respeitados, e por isso a questão do cuidado ao meio ambiente e a questão indígena são fundamentais” –  ponderou o republicano.

 

Presente na audiência pública promovida pela Subcomissão Especial criada para acompanhar as obras das rodovias federais transversais, o diretor de Infraestrutura Rodoviária do Dnit, Luiz Antônio Garcia, disse que a iniciativa irá diminuir os custos que recaem sobre o transporte da produção agrícola na região. “O que trará competitividade ao mercado nacional, além de gerar desenvolvimento social, não só a Mato Grosso, mas também a Tocantins, que sonha e muito com essa integração”, explica.

 

Além do diretor, também participaram da audiência representantes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA), da Fundação Nacional do Índio (Funai), do Ministério Público Federal (MPF), prefeitos e as bancadas parlamentares dos Estados envolvidos, que sinalizaram positivamente à força-tarefa pelo desenvolvimento da rodovia.

O prefeito José de Almeida – conhecido como Baú -, de São Félix do Araguaia (MT), ao falar do potencial transformador da BR 242 para a região, destacou a proximidade do senador Wellington Fagundes com os anseios da região. “Desde que era deputado, o Senador tem lutado por isso. No último grande movimento que nós fizemos, no mês passado, o Wellington estava conosco. Ele atravessou de carro a Ilha do Bananal para conhecer in loco os problemas enfrentados, o que, além de tantas outras ações, o faz um grande lutador pela implantação desta rodovia”, congratulou.

 

O presidente da Subcomissão, deputado Vicentinho Júnior (PSB-TO), adiantou que será montado um grupo de trabalho unindo todos os setores que participaram da audiência para que seja feita gestão imediata do Dnit com o Ibama e a Funai,  buscando agilizar as licenças necessárias. “Para que possamos trabalhar em uma obra por duas vertentes: ou com investimentos públicos, por meio de orçamento da união – com Dnit e o Ministério dos Transportes –, ou através de uma Parceria Público-Privada, ou seja, uma concessão”, elucidou.

Texto: Assessoria

Foto: olharcidade.com.brFoto Transbananal - www.folhadobico.com.br